terça-feira, 13 de abril de 2010

Bridge Over Troubled Water


Foi tamanho o escuro que pediram velas. Todo breu merece um lampejo, do que for. E agora o escuro que tanto me confortou, clareou. A vela que era pra iluminar, escureceu. A cera, me queimou. Era pra ser luz? Foi escuridão. Era pra confortar? Foi incômodo.
Foi tamanha a falta de espaço que o ar fugiu. Todo recinto pede ventilação. E agora a claustrofobia me sufoca. A janela que era pra arejar, traz tempestade. As cortinas embaladas por confusão pedem por calmaria. Era pra resfriar? Derreteu. Era pra tranquilizar? Inquietou.
Foi tamanha a sede que a garganta rugiu. Toda secura pede por umidade. E agora a aridez pede pela equatorialidade. A água que era pra hidratar, inundou. A gota que era pra refrescar, desertificou. Era pra navegar? Naufragou. Era pra beber? Engasgou.
Foi tamanha a sujeira que o branco acizentou. Todos os vidros sujos desenhados por dedos pediam por não-borracha. Mas a poeira tinha que baixar e seguir a rotina da vassoura. As manchas não escapavam dos panos perfeccionistas. Era pra limpar? Fez-se transparente. Era pra desinfectar? Fez-se imune.
Foi tamanha a bagunça que a desorganização pediu ordem.
Foi tamanha a insistência que a indiferença pediu atenção.
Foi tamanha a guerra que a batalha pediu um pouco de trégua.

13 comentários:

  1. Digo e repito, esse teu blog, esse teu texto, eles são tu mesma. São bela bagunça e o brilhantismo de escrever a palavra certa, parabéns! ;D

    ResponderExcluir
  2. Didi, você é muuuuito foda, ta de parabens mesmo. *-* beeijinhos futura jornalista! by: moniquinha.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pela visita no Quimera! Volte sempre :)
    Que texto forte esse...Sincronizado e disciplinado, sem perder a naturalidade. Parabéns :D

    ResponderExcluir
  4. Sou sua fã e você sabe disso..
    :**

    ResponderExcluir
  5. Que texto inquieto e forte também. Diferente. gostei!!

    Parabéns pelo blog!

    Visite o meu quando sentir vontade: joicerodrigues.zip.net

    ResponderExcluir
  6. "Foi tamanha a guerra que a batalha pediu um pouco de trégua."

    puts... gostei demais....
    to seguindo... XD

    abstraindo um pouco isso me lembra o quanto eu desejo, algumas vezes, nao ser eu, na esperança de ser alguem melhor...

    mas sempre descubro que o melhor eu que existe sou eu mesmo... OO'
    ehh tb nao entendi isso q eu disse... mas enfim...

    bjins

    ResponderExcluir
  7. Lindo texto, parabéns! Palavras sensíveis e doces, tocantes. Beijoca

    ResponderExcluir
  8. nossa menina, que texto bem escrito! concisa...
    me senti totalmente envolta dos pensamentos escritos, descritos.
    gostei bastante. vou te seguir, quero ver o que há de vir por aí!

    ResponderExcluir
  9. dulce,
    DI, a tua alma é só sensibilidade e teus olhos enxergam a vida com lentes de realidade.

    ResponderExcluir
  10. ficjo otiimoooo hiper fooda!que texto bem escrito!!!

    ResponderExcluir
  11. Amandiinha, parabéns.
    Tenho esta tua forma de te expressar como um dom, amei.

    ResponderExcluir
  12. Eu não sei ao certo porque decidi ler seu primeiro texto. Talvez pra ter certeza de que seu começo era mesmo tão genial quanto o que vem escrevendo hoje. E sim, é sim.

    Eu me identifico desde sempre. Esse seu santuário lexical usa as palavras que me fazem bem. Falam por muitos, entregam os pontos e criam uma atmosfera que não poderia ser reproduzida por ninguém.

    Você amarra as palavras com nó de marinheiro.

    ResponderExcluir