sexta-feira, 1 de julho de 2011

Don't wait up



"Every once in a while you think about if you're gonna get yourself together, you should be happy just to be alive. And just because you just don't feel like coming home, don't mean that you'll never arrive. Yeah, I'm gonna have to move on."

[Jet]


Vai parecer uma espécie de pedido de sentimento pendente, uma loucura até razoável do tipo fica-não-vai-embora-preciso-de-você-amor. E não era bem isso que eu queria dizer, mas você sabe que eu sempre me engasgo numa vontade de contar verdades. Eu queria que soasse como um “Fica, vai… Já que não tem nada melhor pra fazer…”, mas aí meus dedos me traíram e escreveram um “Tentei sem. Não deu. Volta?”. Eu sei que você sabe que eu sei que você não merece essas coisas. Essas coisas, sabe? Essas vontades de nunca ir embora ou de sempre voltar. Essas infinitudes que me prenderam numa vez passada, ou voz, e hoje fazem reviver essas lembranças todas sobrenaturais.
E, ei, por que me chama de amor? Tá, tá. Sei, sim, sou seu amor de todas as vidas… Mas e se nem chegarmos até o fim dessa? Acho que nossa pretensão é uma ameaça. Ah, amor, não é pra ir embora… Ficar? Não, ficar não. Quero um intermediário, você consegue? Vou deixar um bilhete embaixo do tapete da sua porta, que você vai encontrar quando procurar a chave. Vou escrever assim “Nothing is ever lost”. Sabe por quê? Porque todas as vezes em que nos perdemos acabou sendo só mais uma chance reencontro. Nem sempre de braços abertos e sorrisos no rosto, uns de cabeça baixa e pés cansados. Uns encontros não marcados, uns desencontros brutos, duros. Mas reencontros. Inevitáveis. Será que seguramos o inevitável em nós? Em nós, laços. Enlaçamos o “nós”?
Você me diz as tipicidades com relógios de atraso e eu respondo com a indiferença de uma cansada que seguiu adiante. Teu calendário do ano passado não marcou os dias todos que se passaram enquanto eu não estive aí. Nem sei se você me lê. Não digo minhas palavras, mas eu-inteira, porque sou bem ilegível, desorganizações em linhas tortas. Sei também que suas tentativas recorrentes são só mais uma insistência num futuro que não tem futuro. Não tô discutindo, meu bem, sei que existimos ainda, sei que nossas peles regeneram e nossas vidas têm o dom da ressurreição. Mas amor que é amor quando é sobreposto por outro, não volta. E eu sobrepus o nosso quando quase amei no depois. Foi só um quase amor, eu sei, mas mesmo assim eu fui capaz de perceber todas as possibilidades… São muitas!
Você vai me ligar, vai cantar as mesmas músicas ressaltando os mesmos tons, vai me escrever sublinhando os mesmos trechos. Tudo isso porque eu te conheço mais do que jamais quis. Disse que não voltaria, e não voltei. Mas não sei quando, ou se, fui embora. Talvez eu tenha feito casa em nosso amor e a independência me custe.. Vou me soltando sem me afastar, vou sendo feliz emancipadamente, mas sem exílio. Minha terra natal ainda é nosso começo, só que viagens me atraem mais por hora, turismo quase aleatório.
São tantas outras peles, novos prazeres, terceiras vidas. Tenho, sim, quartas, quintas, sextas vidas. Tenho precisado de vidas em que você não seja par da mocinha que sou eu. Mocinha que vezenquando faz um papel às avessas de vilã, foge da polícia, dá golpes alternativos do baú, corrompe anjos em busca de duplas. São curiosidades, entende? Precisava -ou melhor, preciso - completar uma lista de vivências para, então, tentar começar a pensar em, quem sabe, dar uma chance pra isso de amor. Não necessariamente o nosso, e até preferivelmente não ele, mas qualquer coisa capaz de me fazer doer como ninguém tem conseguido. Não, não quero a dor, mas a felicidade tenho alcançado, mais que plenamente até. Só que ninguém tem sido capaz de me fazer triste como você fez. E isso também é amor. É chorar e logo depois ver a lágrima invadir a brecha de um sorriso, porque o amor morde e assopra. 
Sempre achei bonita essa noção de um amor pra vida inteira, mas a verdade é que é um conceito mágico demais pra ser real. E isso de ficar junto mesmo com amor alternativo só pode ser algum tipo de fundamento raso de quem não abriu mão ainda de certas utopias. Meu realismo não abarca mais esse tipo de coisa, então me deixa. Sei que quando eu te afasto o inverno é dos mais rigorosos, mas sempre haverão retornos pra germinar sorrisos numa primavera das mais bonitas. Afinal, sempre vi flores em você.

19 comentários:

  1. Seu texto me surpreendeu, estou sem saber o que dizer.
    Foi de uma sinceridade extrema.
    Sabe flor, eu tenho uma certa noção disso. Me perdi no caminho das palavras e fui rasgada e tomada pela autenticidade, veracidade e sinceridade das suas palavras.
    Estou admirada e absolutamente sem palavras.
    Mas te garanto, és autêntica do ínicio ao fim e isso é maravilhoso.

    Lindo texto!

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. nossa.
    foi tão profundo.

    Lindo!Amei!

    ResponderExcluir
  3. "E isso também é amor. É chorar e logo depois ver a lágrima invadir a brecha de um sorriso"

    Lindo!

    ResponderExcluir
  4. ehhh...
    eu tenho um amor de muitas vidas. já nos encontramos nessa e tbm nos desencontramos. torço para que possamos nos reconhecer nas próximas!

    =)

    ResponderExcluir
  5. Que lindo, que texto simples e encantador. Um diálogo para dentro de sí, com a gente mesmo. Você escreve muito bem, sempre me surpreendo ao ler seus textos. Queria entrar todo dia aqui e ter um texto novo! rs
    Obrigada pelo comentário no meu blog, muito bom saber que vc passa por lá vezenquando.
    Um beijo enorme!!!

    ResponderExcluir
  6. Menina, que lindo! Intenso, transparente...adoro escritos intimistas e o seu me encantou!
    Obrigada pela visita e comentários, estarei sempre por aqui também! bjs

    ResponderExcluir
  7. Cara, Amanda, É POR ISSO QUE SOU TUA FÃ!

    Eu sei que meu comentário vai parecer bobo e só pra te dizer coisas que você já sabe, mas eu não consigo pensar em nada pra escrever aqui.
    Só que terminei de ler e fiquei repitindo: Cara, Amanda, É ISSO!, QUE COISA LINDA!

    ResponderExcluir
  8. Sou sua fã a cada frase. Leio o texto e rola aquele estalo: que genial. E eu leio sorrindo, quase babando e entendo tudo que você quis dizer, pra mim.
    Temos a vontade de conhecer o mundo inteiro e depois querer o ninho, provar sabores diversos para escolher o favorito. Só não podemos deixar que algo incrível se vá porque queremos ser aventureiras. Beijões.

    ResponderExcluir
  9. vou ser muito sincera com você: eu estou sem palavras. Vou salva esse texto nos meus favoritos, porque ele simplesmente é o melhor que eu já li. Me identifiquei demais, e vi frases que tiraram muito o meu folego.
    "E isso de ficar junto mesmo com amor alternativo só pode ser algum tipo de fundamento raso de quem não abriu mão ainda de certas utopias"
    Meus olhos se encheram com essa frase. Ela é tão eu! rs. Fantástico, maravilhoso, perfeito.

    ResponderExcluir
  10. Posso te pedir um imenso favor? Queria saber se permite que eu coloque uma nota no final da minha próxima postagem com o link desse texto.
    Eu estou em choque, rs. Ele mexeu comigo de uma forma assustadora...
    Vou deixar meu e-mail, aguardo resposta: yasmin_vizeu@hotmail.com

    ResponderExcluir
  11. Te indiquei para um desafio no meu blog!

    http://bomdiasophia.blogspot.com/2011/07/desafio.html

    ResponderExcluir
  12. Quanto tempo eu não vinha aqui, não é? Saudades dos teus textos, são sempre ótimos. "Não digo minhas palavras, mas eu-inteira, porque sou bem ilegível, desorganizações em linhas tortas." Entre tantas outras partes, me vi nessa frase. Não consigo me explicar, não consigo fazer com que me entendam, é realmente complicado. Concordo com o final do teu texto, onde diz que o amor não é pra vida toda. Nunca foi, o tal príncipe nunca nem deve ter existido, apenas na mente das princesas bobas. Enfim, escrevi demais, haha. Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Lindo texto! Mesmo..
    Só não acho que fazer a outra pessoa triste possa fazer parte do amor. =x

    BjO

    ResponderExcluir
  14. Oie!
    Seu texto é extremamente sincero e profundo, ele me fez refletir sobre o amor e todas estas coisas inevitaveis que nos fazem engasgar no ato de falar sobre nossos sentimentos e que nem sempre são tão claros e muitas vezes nos fazem questionar sobre o mundo e nos próprios.
    Acho que não devemos dizer "Te amo eternamente" pois não temos certeza do amanhã, o futuro é muito incerto e mais confuso que o próprio amor.
    Na minha opinião o tal 'principe' nunca existiu, nos mulheres apenas criamos uma fantasia de que um dia encontraremos o cara perfeito, mais nos esquecemos de que ninguém é perfeito.
    O amor é algo que jamais entenderemos!

    Amei teu blog, já estou seguindo-te, se quiser dê uma passadinha no meu universo:
    universo-da-aninha.blogspot.com
    >>>Beijusss...

    ResponderExcluir
  15. Srta. Amanda escrevendo é sempre delicioso.
    Ela vende uma sinceridade por quase nada, está aí, quase de graça. Todo mundo decide abrir a carteira e adquirir esse seu apreço pelas discussões de seu mundo. Vale pra todos que tenham os 5 sentidos em funcionamento.

    É revigorante conhecer essas afirmações de amores possíveis ou regressos, de tempo-passado-e-presente. Você passeia em camadas sobre linhas do infinito que não se abrigam em clichês cotidianos. São surpresas agradáveis que se fixam na epiderme.

    ResponderExcluir
  16. E então moça? O mesmo ritmo de tirar o fôlego de sempre - meus parabéns! Escrever é pôr um pouco de nós em linhas - ora um tentativa nos colocar na linha, ora nos permitindo uma nova perspectiva de nós mesmo. Mas quase sempre, um grito aquilo que tanto precisamos expelir em altos brados, mas não fazemos.

    ResponderExcluir
  17. Essa menina é um talento nato, sabe rasgar corações com seus textos... E todos acimas disseram só verdade...
    Bjos

    ResponderExcluir