segunda-feira, 28 de março de 2011

Off by heart



"I know I can't take one more step towards you, cause all that's waiting is regret. Don't you know I'm not your ghost anymore? You lost the love I loved the most. I hear you're asking all around If I am anywhere to be found. But I have grown too strong to ever fall back in your arms."

[Christina Perri] 

Você vem e me rasga com a tesoura de um adeus seco, simples. E eu aqui a me fingir completa nessa vastidão de orgulho. Eu permaneci aqui, na linha de chegada, mal sabendo que você não voltaria. Porque não demos adeus, eu sei, mas a partida foi definitiva e a sua volta, proibida. Andei uns passos trôpegos com um medo visível de despencar sem o pedaço que você acaba de me tirar, um desequilíbrio vergonhoso. Ainda que tricotada, integralmente luto contra o pedaço solto que insiste em querer você. Ouço sua felicidade e aterro minha desilusão, não era nada daquilo. Deduzi, preferindo a verdade laminada, não era nada daquilo... Você carrega sempre uma ternura forjada, uma carência fingida e eu aqui pensando que podia lhe completar com meu amor, lhe preencher com a minha solicitude. Era na sua verdade sem vigor que descansava minha insegurança. Eu quase cedi e você nem viu. Não viu minhas tentativas tortas de tentar fazer-me entender ainda que afundada em meio à tanto silêncio. Você não viu que minhas palavras cambaleavam frente aos seus olhos.
A minha vontade instantânea é de empacotar tanto sentimento embaralhado e jogar no mar que assiste a essa cena tão byroniana de amor fracassado e spleen. Pra que as ondas levem ou mesmo afoguem tanta vontade não correspondida, tanta prontidão em vão. Queria era dizer “Me leva, vou com você.”. Onde? Não perguntei. Não importava. Simplesmente arrumaria as malas e me mandaria pra me quebrar por aí pelo mundo, nessa vida bandida com você onde quer que fosse. Mas não foi suficiente e você não quis me levar. E agora, penso eu, nem mais quero ir, porque aprendi a pensar com a razão. E sinto como se eu tivesse deixado passar, frente a meus olhos, tantas provas inegáveis de que eu não era pra você. E não o que você precisava ou queria (para o inferno com tuas necessidades!), mas irrefutavelmente o que não merecia e nunca mereceu. Esquece o mérito, minha querida. Esquece o mérito que não é proporcional ao amor, não é sobre conveniências. Esquece o mérito e olha pro mar. Deixa naufragar, deixa passar, deixa a onda limpar. Sei que ainda me considera isca, não mais tão fácil, pro seu anzol, mas há muito mudei de águas. Mudei de águas e vejo tua sombra aflita pedindo por oxigênio. Mas não sou eu quem vai lhe dar. Não sou eu, deixo afogar.

21 comentários:

  1. Guria, acho que tu escreves tão bem, que sinto falta de ser guiada pelas tuas linhas, de ser tocada pelas tuas palavras. Confesso, deixei afogar também. Às vezes é preciso deixar de ser isca, aprender a pescar, selecionar o que é melhor pra gente. Não se deixar envolver pelo o outro e escapar viva. Um beijo pra ti!

    ResponderExcluir
  2. Di, quem dera todas tivessem a coragem de puxar a isca no momento necessário. Quanto sofrimento seria evitado.Lindo texto,para variar. Estava com saudades de lê-lo. Te amo!

    ResponderExcluir
  3. "A minha vontade instantânea é de empacotar tanto sentimento embaralhado e jogar no mar que assiste a essa cena tão byroniana de amor fracassado e spleen."

    Me sinto exatemente assim!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Lindo o texto! Amei conhecer teu blog!

    ResponderExcluir
  5. Deixe afogar e depois olhe no que dá, mas não seja tarde demais.

    ResponderExcluir
  6. Primeira vez que visito seu blog, e por estar certa de que voltarei, já estou te seguindo. Acrescentei seu link à minha lista, e digo isso com prazer, porque seus textos... há algo neles que me remete a mim mesma, intimamente. E por outro lado são diferentes. E bonitos e sinceros. E não falarei muito para não parecerem elogios forçados de uma primeira vista. Mas voltarei. Espere.

    E deixe que o mar varra tudo que nunca foi suficientemente limpo para se dissolver em você.

    ResponderExcluir
  7. Não querer ser levada em uma viagem dessas é de matar...
    "Esquece o mérito, minha querida. Esquece o mérito que não é proporcional ao amor, não é sobre conveniências."
    Nem sei o que comentar, só queria transcrever essa parte, que realmente tocou.
    Aliás, o amor geralmente é um grande inconveniente nas nossas vidas. Um inconveniente necessário.
    Parabéns pelas palavras...

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito deste site e por isso resolvi colocar uma mensagem para conhecimento de todos. Já existe uma maneira de se fazer grampo de celular. Chama-se telefone espião. Você pode encontrar no site www.celularespiao.net

    ResponderExcluir
  9. "Pra que as ondas levem ou mesmo afoguem tanta vontade não correspondida, tanta prontidão em vão."

    Ah, amanda, como você consegue, me diz?
    É isso aí o que vivo, só me falta mesmo a coragem de deixar afogar de vez e parar de ficar jogando botes salva vidas.
    Sou muito fã dos seus escritos, sempre.

    ResponderExcluir
  10. Ah, que lindo texto. Doloroso, mas encantador.
    Beijo grande

    ResponderExcluir
  11. Sua linha de chegada mudou e você agora está triunfante! Talvez você esteja mais confiante, com a visão mais clara!
    E é inegável que nunca estamos preparadas pra um ADEUS, eu mesmo não sei e me recuso a dizer um!
    beeijo ;*

    ResponderExcluir
  12. "E sinto como se eu tivesse deixado passar, frente a meus olhos, tantas provas inegáveis de que eu não era pra você. E não o que você precisava ou queria (para o inferno com tuas necessidades!), mas irrefutavelmente o que não merecia e nunca mereceu." Pro inferno, Amanda Arrais! heheheh Perdoe e a brincadeira, não passa disso. Recorto este trecho pelo óbvio motivo de ser perfeito aos recentes (?) momentos. Prossegues hábil em meio as palavras! Boa semana... apareça lá em www.opiniaoearte.com.br, um convite que te faço - sentiria-me honrado se o considerasse, ao menos.

    ResponderExcluir
  13. Intensa como sempre.
    Adoro os teus textos.
    Um abraço, flor!

    ResponderExcluir
  14. Menina, adorei seu post... Perfeito!
    A gente que lê sente a sensação de liberdade que o teu texto nos mostra... Bastante profundo e intenso, além de muito bem escrito.

    Acho que é exatamente assim que devemos olhar e agir para com pessoas que, analisando bem e olhando pra trás, nunca mereceram nosso amor.

    Meus parabéns!

    Um ótimo final de semana pra ti e obrigada pelo comentário no meu blog!

    Beijão flor

    ResponderExcluir
  15. Oi Mandinha...
    Aqui quem fala é a Ju House do cacheada e cheia de onda
    eu to num projeto juntamente com minha amiga de levar adiante um sonho antigo que era falar sobre problemas
    femininos, o blog seria como um disconte no cara que fez ela sofrer, e seria uma forma de ajudar alertar ou
    manter a mente de outras mulheres abertas, mostrar do que o amor é feito, é a verdade nua e crua. O nosso
    projeto é de tirar sarro dos acontecimentos, ao invéz de se deprimir e ocupar a mente com besteira a nossa
    idéia é mostrar onde tá o erro no relacionamento na postura da mulher com a vida que está levando.
    Faremos isso também em forma de vlog, que é inclusive uma forma mais rápida de divulgar, porém vamos
    começar por aqui para termos umas histórias, se você tiver algum dilema, conhecer alguém que tenha,
    mande-nos, dá uma olhadinha no nosso post, pode mandar anonimo mesmo pro e-mail, é melhor que invente
    um nome um lugar pra vocês mesmas identificarem a história, no post ou aqui mesmo, porquê faremos
    questão de responder a cada um dos e-mail's.Se quiser divulgar o blog e a idéia eu agradeceria também!


    Beijos sentimentais!

    ResponderExcluir
  16. Adoro essa música e encanto-me sempre mais com suas palavras.

    ResponderExcluir
  17. "Deixo afogar" - quero poder dizer convictamente isso um dia! Afinal, quem manda ter uma coisa que ainda me domina chamada coração? Beijos e ótima semana, linda!

    ResponderExcluir
  18. Aos Poetas e Poetisas...

    Poetas e Poetisas...

    Nunca parem de escrever...

    Quando paramos ...sucumbimos ao mundo...

    Não podemos permitir que tamanha dor alcance nossas almas...elas merecem muito mais ...

    Merecem fluir em meio às palavras...merecem encontrar à liberdade que o mundo não nos dá...

    ResponderExcluir
  19. Quanto mais leio , mais me encanto com suas palavras e me identifico com o que escreves de maneira tão grandiosa.
    Lindo texto.

    ResponderExcluir
  20. Penso que a indiferença seria um ingrediente poderoso nessa receita que você fez.
    Mas compreendo que é necessário usar mais do que isso.
    É preciso colocar todos os sabores, confundir paladares e servir aos convidados exatamente o que seu coração pediu para preparar.
    Abandonar-te ao mundo é um crime de fiança alta e, a julgar pelo final, já estão pagando.

    ResponderExcluir